segunda-feira, 6 de abril de 2009

Traduzir-se

TRADUZIR-SE

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte
-será arte?

Ferreira Gullar

2 comentários:

  1. Boa leitura, bons sentimentos...

    Aceita sugestões?
    Chico Buarque, Elisa Lucinda, Drummond.

    ResponderExcluir
  2. Sílvia,
    este poema foi lindamente musicado e interpretado por Fagner.
    Seu blogue é de intenso bom gosto e muito sensível. Recomendarei-o.

    Abraço valadarense,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir

Adoro saber tua opinião!
Obrigada por participar.